Rússia insiste em enviar sua delegação aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Home » Patrocinado » Rússia insiste em enviar sua delegação aos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020

Os dirigentes russos argumentam que os atletas da sua delegação irão competir em representação da sua nação nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020. Esta informação foi enviada das altas esferas do país europeu, apesar da recente sanção da Agência Mundial Antidopagem (AMA).

A autoridade máxima do Comitê Olímpico Russo, Stanislav Pozdniakov, disse à imprensa nesta terça-feira, 24 de dezembro, que o organismo que preside “é um membro legítimo do movimento olímpico. Portanto, temos muitas razões para acreditar que formaremos uma equipe para Tóquio 2020 e faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que esta equipe se desempenhe sob a bandeira tricolor russa”.

Exclusão do Comitê Olímpico

No passado dia 9 de Dezembro, o ambiente desportivo escandalizou-se ao tomar conhecimento da sanção que excluiu a Rússia dos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 durante um período de quatro anos, emitida pela AMA. Isso inclui competições internacionais como os Jogos de Inverno de Pequim de 2022, e o Mundial de futebol de 2022.

O organismo acusou o laboratório de Moscou de adulterar a informação que lhe forneceu no início do ano, com o suposto objetivo de encobrir casos de dopagem, ante isto o presidente da Rússia Vladimir Putin sustentou que “tudo fazia parte de uma perseguição política”.

Prazo para apelação

A Agência Russa de Antidopagem (RUSADA) deve apelar desta sanção até o final do ano; se assim for, o caso será submetido ao Tribunal de Arbitragem Desportiva (TAD), instância que decidirá o acórdão definitivo do referido processo.

Uma das limitações da sanção é a proibição de participação de todos os atletas russos a usar o uniforme com a bandeira de seu país. No entanto, os atletas poderão competir nos Jogos Olímpicos de 2020 e nos Jogos Olímpicos de Pequim de 2022, desde que concorram de forma neutra, e se tenha verificado que não faziam parte do sistema de dopagem gerido pelo Estado.

Após uma série de questionamentos por suposta dopagem de Estado, o Comitê Olímpico decidiu, há pouco mais de um ano, que a Rússia poderia participar dos Jogos Olímpicos do Rio 2016.

Mas, perante a recusa da Rússia em realizar os testes e a alegada manipulação do relatório do início do ano, que contém provas físicas e dados alterados para esconder factos de dopagem, a AMA aplicou esta penalidade à Rússia com base na exclusão das competições internacionais. No final do ano, a liderança russa deverá recorrer ao recurso para depois ficar nas mãos de um Tribunal de Arbitragem Desportiva.

As recentes afirmações de Linda Helleland, vice-presidente da AMA, foram categóricas “queremos sanções que não possam ser diluídas. Devemos aos atletas limpos implementar as sanções com a maior contundência”.

Rússia decidida a participar nos Jogos Olímpicos

A UEFA determinou que a Rússia tem autorização para participar no Euro 2020, uma vez que este evento não é considerado uma competição mundial. No entanto, a Rússia continua a lutar para enviar a sua numerosa delegação para Tóquio em 2020.

O Comité Olímpico da Rússia (COR) reiterou, em 24 de Dezembro, a sua intenção de se apresentar com a sua bandeira nacional nos Jogos Olímpicos de Tóquio previstos para 2020.

Stanislav Pozdniakov, presidente do organismo confirmou seu interesse em içar a bandeira no recinto olímpico: “O Comitê Olímpico da Rússia é um membro de direito e para todos os efeitos do movimento olímpico, por isso temos todas as razões para considerar que vamos formar uma equipe para Tóquio, E faremos tudo para que a equipe participe sob a bandeira tricolor russa”.

A pátria russa anunciou que o COR é um dos fundadores da agência antidoping RUSADA, pelo que ratificará a decisão unânime do Conselho de Fiscalização de não aceitar as sanções enunciadas pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

Rusada informou a mídia que pedirá a seu diretor-geral Yuri Ganus que anuncie à AMA a impugnação das sanções no próximo dia 27 de dezembro.

Acompanhe nossas redes sociais